Planejamento, ação e velocidade

13 de dezembro de 2021
393 Visualizações

Palavra do Presidente

Por intermédio das ações, dados e análises, podemos fazer projeções a respeito do comportamento da economia neste novo período pós pandemia.

Em razão da evolução nas questões sanitárias, fortalecendo os canais de prevenção, detecção e tratamento do coronavírus, todos os setores da sociedade mundial deverão enfrentar mudanças significativas nos próximos anos.

Na economia, a pandemia trouxe reflexos que alteraram o cenário mundial. Em 2020 o mundo saiu de um crescimento de 2,5% comparado ao ano de 2019 para uma recessão global de 3,5%.

Esta situação será revertida na medida em que a vacinação avançar. A velocidade da imunização e a sua disseminação são fundamentais para o resgate social e econômico.

Em razão da pandemia, de forma abrupta, o Brasil teve estancado um crescimento econômico que aconteceu em 2019 e tinha tudo para se consolidar em 2020 e 2021.

Mesmo com todos os obstáculos desde o surgimento da pandemia, medidas como o Pronampe, Auxílio Emergencial e ajuda federal aos governos estaduais, mantiveram girando a roda da economia do país.

Para uma recuperação da economia brasileira, é fundamental que as taxas de juros tenham patamares mais compatíveis com as necessidades de crescimento. Juros altos, inibem os investimentos das empresas privadas; o setor público vê a sua dívida crescer, as famílias e pessoas passam a comprar menos em razão dos altos custos do crédito e surgimento da necessidade de maiores garantias, além da corrosão do orçamento familiar.

Taxas de juros mais baixas, quando a inflação não ocorre devido a consumo, estimulam o investimento produtivo e aceleram o círculo virtuoso da economia.

Políticas públicas pró-ativas são necessárias e urgentes para fomentar negócios, gerar empregos e renda e promover a sustentabilidade das empresas.

As previsões para o Comércio indicam que a recuperação deve ocorrer de forma gradual. Conciliar os canais físico e online é uma necessidade dos estabelecimentos de todos os portes.

A loja física não será excluída no cotidiano dos consumidores. A experiência de compra possibilita conhecer melhor o produto no aspecto da qualidade, manuseio e negociações de preços e prazos. São fatores que se tornam decisivos para o fechamento do negócio.

O planejamento estratégico é fundamental.

A celeridade das mudanças, evolução e novos produtos exige que o empreendedor esteja a par das tendências e comportamento de consumo para que as turbulências ou carências de políticas públicas não coloquem em risco o empreendimento.

A resiliência do povo gaúcho e brasileiro favorece a rápida adaptação às mudanças, sendo que sua determinação, aliadas a organização e metodologia, facilitam a retomada da economia.

Embora que desde março de 2020 desafios enormes surgiram, ou, foram impostos, a transição exige investimentos estratégicos em novas áreas, tecnologias e modelos de negócios. 

As empresas que planejarem, agirem e impuserem velocidade, terão oportunidades de crescimento e perenidade.

O Brasil e o Rio Grande do Sul são fontes abundantes de recursos naturais e riquezas diversas. Implementar melhorias constantes na gestão empresarial aceleram a recuperação da economia.

Pense nisto.

 

Vitor Augusto Koch

Presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul – FCDL-RS

Últimos Posts

QUOD lista cinco desafios do setor financeiro no combate às fraudes

QUOD lista cinco desafios do setor financeiro no combate às fraudes

Especialistas no tema elencaram os principais pontos de atenção para o mercado durante evento realizado em São Paulo   Com o objetivo de discutir os principais desafios impostos pelas fraudes ao mercado financeiro e de pagamentos, além das tendências do setor...

Redes Sociais