Permanecer vigilante

5 de julho de 2019
1109 Visualizações

Uma das principais lições de vida na direção da maturidade reside na arte de saber entender as informações que recebemos, desprovidas do viés das opiniões excessivamente passionais. Um exemplo disso é o ambiente político do Brasil, onde as polarizações são cada vez mais frequentes.

Um dado que condiz com isso foi recentemente fornecido pelos principais jornais e meios de comunicação do país, onde destacaram que a alta do emprego em maio último (32.140 vagas) é o pior resultado desde 2016, quando a recessão da época reduziu a empregabilidade do mês em questão em 72,6 mil postos de trabalho.

Quando se fala em “pior resultado”, somos levados a imaginar a ocorrência de um desastre econômico. Entretanto, a realidade não é essa!!! Nos últimos três anos, em maio, o emprego formal brasileiro subiu, respectivamente, 34.253 vagas (2017); 33.659 (2018) e 32.140 (2019).

Ou seja, visualmente não há uma alteração tão significativa de patamar, apesar da coincidência de uma tendência de desaceleração no período. Entretanto, este comportamento é circunstancial e não mostra uma tendência. No mês logo anterior (abril), o Brasil registrou recorde de criação de empregos (129.601), superando em 11,8% o resultado para o mês em 2018 e em 116,5% na comparação de 2017.

Comparando, podemos nos tranquilizar e afirmar que o indicador de empregabilidade está efetivamente crescendo no Brasil. Verdade que os resultados positivos em questão estão muito abaixo do que seria razoável para um país como o nosso, contexto este que vem predominando desde os anos 80.

Percebe-se que a equipe econômica do governo federal também compreende isso da mesmo forma e insiste na aprovação de reformas estruturais, como a previdenciária, para proporcionar uma reconquista de governabilidade orçamentária, o que pode viabilizar redução de impostos e até juros (por meio da queda da dívida pública).

Entretanto, as pressões do dia a dia levam a soluções de curto prazo, como a ideia da liberação dos saldos das contas ativas do FGTS para impulsionar o consumo. Até seria uma medida bem-vinda, porém é equivocado imaginar que isto provocaria algum tipo de solução estrutural. A analogia apropriada a este tipo de medida é imaginar um banquete em meio de uma epidemia de fome.

A “saciedade” da economia é temporária. Continuamos a insistir de que um futuro melhor e de desenvolvimento rápido, obrigatoriamente passa pelo estancamento das distorções que causaram os entraves do Brasil contemporâneo. E a principal referência do conjunto de regras que levaram nosso país à bancarrota é a Constituição de 1988.Urgentemente, devemos revisitá-la e mudá-la.

É certo de que isto mexe em interesses de várias corporações que sobrevivem às custas do dinheiro dos impostos. Não se trata de uma mera questão de escolha entre “eles” e “nós”. A situação chegou a tal ponto, que se não for corrigida, tanto “eles”, como “nós” acabaremos sucumbindo à falência do Brasil.

O Ministro Paulo Guedes mostra ter a clara consciência disto, assim como a maioria dos membros do governo federal. No Congresso Nacional, o convencimento neste sentido é crescente. Porém, um contrapeso é colocado na balança do certo e do errado: se reformas estruturais forem aprovadas, o Brasil volta a ter condições de crescer aceleradamente.

Se continuar prevalecendo entre os parlamentares a visão de que consertar o Brasil pode frustrar planos futuros de poder, não sairemos dos maus lençóis da atualidade. Que a sabedoria e o espírito cívico vençam este embate.

Acreditamos que este será o caminho escolhido; nosso dever: permanecer vigilantes.

Últimos Posts

Projeto Recupera Muçum trabalha pelo reerguimento do município

Projeto Recupera Muçum trabalha pelo reerguimento do município

Integrante do Projeto Recupera Muçum, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) do município trabalha com força pela retomada das atividades do comércio local, tão impactado pelas cheias de 2023 e do último mês de maio. O presidente da entidade, Leonardo Bagnara, destaca...

Redes Sociais