Varejo gaúcho voltou a apresentar saldo negativo de empregos em julho

25 de agosto de 2020
1275 Visualizações

Rio Grande do Sul foi o estado que mais teve postos de trabalho extintos no setor em todo o país

 

Em julho, enquanto o Brasil buscava retomar sua normalidade após quatro meses de implementação das questionáveis políticas de isolamento social para conter a expansão da pandemia da Covid-19, no Rio Grande do Sul a radicalização das restrições ao funcionamento do varejo nos principais centros de consumo foi ampliada. O resultado disso é que no sétimo mês do ano o estado registrou mais uma queda no saldo de empregos varejistas, com – 402 vagas, ao contrário do saldo nacional, que apontou o incremento de 28.383, de acordo com os dados do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged).

– O resultado gaúcho foi o pior do Brasil e o único negativo das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. A situação poderia ter sido ainda mais grave e muitos mais empregos poderiam ter sido suprimidos, não fossem as medidas de flexibilização dos contratos de trabalho promovidas pelo governo federal – ressalta o presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul – FCDL-RS, Vitor Augusto Koch.

O mês de julho teve, no geral, um saldo positivo de 1.251 postos de trabalho no RS, graças a retomada parcial da atividade nas indústrias de base exportadora. Ainda assim, este número é pouco significativo na comparação com outros estados com forte economia, como São Paulo, que teve saldo positivo de 22.967 vagas; Minas Gerais, 15.843; Santa Catarina, 10.044; e Paraná, 8.833 vagas.

No recorte anual, de janeiro a julho, a defasagem de empregos no Rio Grande do Sul chega a 95.036 (na diferença entre 509.375 contratações contra 604.411 demissões). Os setores de serviços (-37.241) e comércio (-35977) acumulam os piores saldos no ano.

Para Vitor Augusto Koch a tímida flexibilização do funcionamento do varejo gaúcho na segunda quinzena de agosto ainda não é suficiente para reverter a situação recessiva da atividade comercial no estado. As lojas locais estão perdendo vendas para os portais nacionais de internet, a partir do poder de compra dos consumidores que conseguiram consumir, a despeito da grande queda de empregabilidade que flagela o Rio Grande do Sul.

– Ou seja, não estamos tratando de represamento do consumo para posterior compensação, mas, sim, de perda real e definitiva de vendas – enfatiza o presidente da FCDL-RS.

Talvez com a ampliação da liberdade de atuação do comércio gaúcho nos próximos dias é possível que a partir de setembro a situação melhore um pouco. Ainda assim, na avaliação da FCDL-RS, as perdas concretizadas no período entre março e agosto de 2020 serão sentidas por um longo período.

 

 

Últimos Posts

Projeto Recupera Muçum trabalha pelo reerguimento do município

Projeto Recupera Muçum trabalha pelo reerguimento do município

Integrante do Projeto Recupera Muçum, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) do município trabalha com força pela retomada das atividades do comércio local, tão impactado pelas cheias de 2023 e do último mês de maio. O presidente da entidade, Leonardo Bagnara, destaca...

Redes Sociais