Conflito no Leste Europeu traz reflexos preocupantes para o varejo

16 de março de 2022
189 Visualizações

FCDL-RS avalia que elevação de preços de combustíveis e alimentos aumenta a pressão inflacionária no setor e espera que as novas medidas que o Governo Federal deve colocar em prática ajudem a reverter esse cenário

 

Uma longa duração do conflito entre Rússia e Ucrânia, no Leste Europeu, pode trazer impactos negativos para o varejo brasileiro nos próximos meses. A crise entre os dois países já provocou um grande aumento dos preços do petróleo em nível mundial e, por conseqüência, a elevação dos valores dos combustíveis no Brasil.

 

O presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul – FCDL-RS, Vitor Augusto Koch, avalia que o conflito amplia a pressão inflacionária no planeta, que já vinha crescendo em função das medidas tomadas pelos países contra a pandemia da Covid-19, que abalaram a economia mundial nos últimos dois anos.

 

No Brasil, a elevação dos combustíveis acaba por afetar praticamente toda a cadeia produtiva que depende quase que exclusivamente do transporte rodoviário para se movimentar.

 

– Os reflexos dessa crise terão impacto mais amplo em setores como o varejo de combustíveis e de alimentos, que devem ter seus preços mais elevados em breve. A gasolina e o diesel já subiram há poucos dias e isso encarece o frete. Por conseqüência, os preços de alimentos e de outros produtos também devem subir e isso não é uma notícia boa. Ainda mais em um momento no qual o país tenta se recuperar do baque que a economia sofreu em função da pandemia – argumenta Vitor Augusto Koch.

 

A pressão inflacionária no país deve se refletir, também, na elevação da taxa de juros básicos da economia, o que não é uma medida adequada para o setor produtivo, já que as atividades mais dependentes do crédito são afetadas negativamente neste cenário.

 

Um exemplo disso é a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que demonstra as pressões de custo sofridas por todos os segmentos do varejo. Nos últimos doze meses, os produtos comercializados pelo varejo foram reajustados em 12,7%, enquanto que no atacado o avanço foi de 25,4% no mesmo período, o que se reflete em um repasse de quase 50% aos preços finais aos consumidores.

 

– Esse cenário amplia a ansiedade de todos os comerciantes pelo anúncio de medidas, de parte do Governo Federal, para impulsionar a economia do país. A expectativa da liberação de recursos do FGTS para a população, beneficiando cerca de 30 milhões de pessoas, com previsão de injetar R$ 30 bilhões na economia, e do pagamento antecipado do 13º salário para mais de 36 milhões de aposentados e pensionistas do INSS, representando um incremento de mais R$ 56 bilhões no mercado, certamente, irão ajudar a reaquecer o consumo, avalia Vitor Augusto Koch.

 

O presidente da FCDL-RS lembra, ainda, que se somarmos a essas medidas outras iniciativas já em vigor, como a redução de 25% do IPI e a nova lei que determina alíquota única de ICMS para combustíveis em todo o país, podemos projetar uma rápida retomada econômica e ter um ano melhor para todos que fomentam o circulo virtuoso da economia brasileira.

 

Últimos Posts

QUOD lista cinco desafios do setor financeiro no combate às fraudes

QUOD lista cinco desafios do setor financeiro no combate às fraudes

Especialistas no tema elencaram os principais pontos de atenção para o mercado durante evento realizado em São Paulo   Com o objetivo de discutir os principais desafios impostos pelas fraudes ao mercado financeiro e de pagamentos, além das tendências do setor...

Redes Sociais