FCDL-RS reforça posição contrária à manutenção das atuais alíquotas do ICMS

14 de dezembro de 2020
1124 Visualizações

PresidenteVitor Augusto Koch ressalta que a aprovação do projeto encaminhado pelo governo estadual à Assembleia irá penalizar toda a sociedade gaúcha, que já sofre com tributos altíssimos

 

No pacote de alterações tributárias encaminhados pelo governo estadual do Rio Grande do Sul à Assembleia Legislativa, que deve ser votado nesta semana, o ponto que propõe a prorrogação das atuais alíquotas do ICMS, que vigoram desde o início de 2016, recebe forte oposição da FCDL-RS.

 

O presidente da FCDL-RS, Vitor Augusto Koch, ressalta que os gaúchos sofrem há quatro anos com uma das mais elevadas alíquotas de ICMS do país, especialmente no que se refere aos combustíveis, energia e telecomunicações.

 

– A proposta de manutenção da alíquota geral do ICMS em 18%, por mais um ano, e para combustíveis, energia e telecomunicações em 30%, por mais 4 anos, vai continuar penalizando toda a sociedade gaúcha. Quando a majoração entrou em vigor em 2016, foi dito a plenos pulmões que vigoraria até o final de 2018. O que aconteceu em 2018? Foram prorrogadas até o final de 2020. Agora, não é possível que isso continue – enfatiza o presidente da FCDL-RS, Vitor Augusto Koch.

 

O presidente destaca que entre 2010 e 2019 a arrecadação gaúcha de ICMS aumentou 28,35% em termos reais, enquanto o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu apenas 8,5% no mesmo período. Ou seja, a renda estadual aumentou 3,3 vezes mais do que a riqueza da população do Rio Grande do Sul.

 

Ele aponta que o atual argumento do governo estadual, de que caso as alíquotas não sejam mantidas haverá perda de arrecadação para o Fundo de Participação dos Municípios, é uma estratégia que visa convencer os prefeitos a pressionarem os deputados estaduais a votarem em favor da manutenção de impostos altos.

 

– Se tal manobra tiver sucesso, será lamentável e evidenciará a qualidade precária de nossos políticos. Ainda resta esperança de que isto não ocorra. Prorrogar o ICMS elevado levará os consumidores, as famílias a perderem o seu já reduzido poder de compra e os empresários a buscarem alternativas fora do Rio Grande do Sul para priorizarem seus investimentos – lembra Vitor Augusto Koch.

 

Para o presidente da FCDL-RS é importante que os deputados estaduais não aprovem a renovação das alíquotas, uma vez que empresas e cidadãos já chegaram ao seu limite no que refere ao pagamento de tributos, sem ter o devido retorno do serviço público.

 

– Como defendemos há muito tempo, a administração pública gaúcha precisa cortar custos de maneira efetiva. Exemplo: privatização de estatais deficitárias e o fechamento de repartições sem utilidade prioritária. Se há imposições, que sejam alteradas com reformas administrativas. Temos a convicção de que mantendo a máquina pública do jeito que ela está e seguindo com impostos altíssimos o Rio Grande do Sul não conseguirá se reerguer economicamente, – conclui Vitor Augusto Koch.

Últimos Posts

12 de junho – Dia dos Namorados

12 de junho – Dia dos Namorados

12 de junho é dia de muita paixão, de romance, de carinho e de cumplicidade para todos os namorados. Hoje, definitivamente o amor está no ar! Feliz Dia dos Namorados!

Redes Sociais