FCDL-RS pede ao governador que o comércio possa atuar nas regiões de bandeira preta

22 de fevereiro de 2021
269 Visualizações

Presidente Vitor Augusto Koch enfatiza que um novo fechamento vai agravar os prejuízos que os lojistas enfrentam há quase um ano

 

Em contato com o governador Eduardo Leite, o presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul – FCDL-RS, Vitor Augusto Koch, externou a preocupação dos varejistas gaúchos com a nova classificação do modelo de distanciamento controlado, que estabeleceu a bandeira preta em 11 regiões do Estado.

 

O presidente da FCDL-RS solicitou ao governador a possibilidade do comércio considerado não essencial poder continuar exercendo suas atividades, mesmo nas regiões classificadas com bandeira preta.

 

– O comércio não é o local onde acontece a disseminação da Covid-19. Desde o início da pandemia, em março de 2020, os lojistas cumprem todos os protocolos determinados pelas autoridades de saúde, como o uso da máscara, a disponibilização de álcool em gel e o distanciamento físico dentro de cada estabelecimento. Um novo fechamento das lojas neste momento vai aumentar os já intensos prejuízos que o varejo gaúcho enfrenta há quase um ano – destaca Vitor Augusto Koch.

 

Na avaliação do presidente da FCDL-RS, a impossibilidade do comércio exercer sua atividade por um longo período em 2020 foi a causa do fechamento definitivo de 9 mil estabelecimentos comerciais no último ano. Além disso, foram extintos milhares de postos de trabalho no setor varejista, agravando um quadro social e econômico que já era extremamente preocupante antes mesmo da pandemia.

 

– Lembramos ao governador que as lojas que fecharam suas portas foram especialmente aquelas de sustento familiar, cujos ex-proprietários não possuem capital para recomeçar após a falência. E essa situação pode se agravar, ainda mais, caso o nosso pedido não seja atendido pelo Chefe do Executivo Estadual – enfatiza Vitor Augusto Koch.

 

Por fim, o presidente salientou que é fundamental preservar a saúde e, também, as condições operacionais de quem gera emprego e renda. Se isso não for feito, a recuperação econômica e social do Rio Grande do Sul será muito mais árdua e demorada do que no restante do Brasil e no Mundo.

Últimos Posts

Redes Sociais